Jesus é Seu Senhor ?

Após vencer a tentação sofrida no deserto com jejum, oração e o uso da palavra de Deus ¹,  “…  pela virtude do Espírito, voltou Jesus para a Galiléia, e a sua fama correu por todas as terras em derredor.         

E ensinava nas suas sinagogas, e por todos era louvado.” (Lc 4.14-15)

A virtude mencionada é o poder espiritual concedido pelo Espírito de Deus. Este poder é mais potente que qualquer força física, acompanha o batismo no Espírito Santo; provê autoridade, encorajando ás pessoas a repreender o pecado, as capacitando a falar, orar e repreender potestades e obras malignas. Inclusive, quem o recebe pode realizar sinas miraculosos para abençoar vidas e exaltar o nome de Deus. ²

Jesus é a representação suprema do poder espiritual. E, a manifestação deste poder em Sua vida O rendeu notoriedade, honra e fama. ³

“E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler.” (Lc 4.16)

A sinagoga era uma importante instituição religiosa para os judeus daqueles dias. O hábito de Jesus congregar nela para adorar ao Senhor deve ser imitado por todos Seus seguidores. Neste local, Jesus leu no livro do profeta Isaías o trecho: 4

“O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração,

A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor.” (Lc 4.18-19)

A passagem citada é relativa ao ministério do Messias (o Salvador), que foi ungido com o Espírito Santo para fazer a vontade do Pai, anunciando o Evangelho de Deus, suprindo as necessidades humanas e oferecendo, em termos naturais e espirituais: visão, cura e libertação.5

O ano aceitável do Senhor, neste contexto, é o período do anúncio da salvação ou era Messiânica, no qual Jesus proclamou nEle a libertação do pecado e de todas suas consequências, pela graça abundante, desde que a pessoa receba Sua palavra com fé, amor e sinceridade. 6

Á princípio, Jesus pareceu atraente para eles. Pois,

“… cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele.

Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos.      E todos lhe davam testemunho, e se maravilhavam das palavras de graça que saíam da sua boca; e diziam: Não é este o filho de José?(Lc 4.20-22)

 No entanto, disse Jesus:

“Em verdade vos digo que nenhum profeta é bem recebido na sua pátria.

Em verdade vos digo que muitas viúvas existiam em Israel nos dias de Elias, quando o céu se cerrou por três anos e seis meses, de sorte que em toda a terra houve grande fome; E a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a Sarepta de Sidom, a uma mulher viúva.

E muitos leprosos havia em Israel no tempo do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro.” (Lc 4.24-27)

Jesus Cristo se declara como um dos profetas enviados por Deus que foi rejeitado pelos concidadãos. Portanto, assim como os profetas Eliseu e Elias, Jesus seria enviado ao povo gentio (não hebreu), dispensando graças divinas sobre a vida deste, caso Seu povo não aceitasse Seus ensinamentos e indulgência. 7

“E todos, na sinagoga, ouvindo estas coisas, se encheram de ira.

E, levantando-se, o expulsaram da cidade, e o levaram até ao cume do monte em que a cidade deles estava edificada, para dali o precipitarem.

Ele, porém, passando pelo meio deles, retirou-se.” (Lc 4.28-30)


Até que ponto confessamos Jesus em nossa vidas?

A pregação de Jesus na sinagoga foi muito além de boa eloquência verbal, postura, sabedoria … Foi a manifestação do poder de Deus, com falas simples e verdadeiras inspiradas pelo Espírito Santo, maravilhando á todos.

O “olhar” destas pessoas sobre Jesus mudou bruscamente quando perceberam que as próprias vidas foram comparadas á de pessoas incrédulas e pecadoras. Características estas confirmadas pela atitude extrema de tentarem matar o Senhor, ainda que fossem religiosas.

Ter as próprias ações, ideais e vida confrontadas com a verdade de Deus nem sempre é algo confortável. Inclusive, esta passagem demonstra o quão flagrante é o contraste entre a onisciência divina e a percepção natural do ser humano. Deus é o único ser capaz de julgar fidedignamente pessoas e circunstâncias além da aparência. 8

Nesta sinagoga, temos exemplos claros de pessoas religiosas que acreditavam mais nas próprias convicções, do que a realidade que o Senhor as declarou, mesmo havendo evidências nas Escrituras Sagradas e manifestação de diversos sinais.

Confessar Jesus como Senhor de nossa vida é além de pronunciarmos isto com expressões e religiosidade; de possuir consciência da pessoa de Cristo, de Sua obra ou engrandecer e exaltar Seu nome. Mas sim, converter a própria vida ao direcionamento dEle, em amor, reverência, temor e obediência. 9

“Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele,
Arraigados e sobreedificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, nela abundando em ação de graças.
Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;
Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade;
E estais perfeitos nele, que é a cabeça de todo o principado e potestade;” (Cl 2.6-10)

Desta forma, abandonaremos toda a obra do maligno, caminhando das trevas para a luz do Senhor e passaremos á servir a Ele.

Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro.” (Mt 6.24)

“E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as.
Porque o que eles fazem em oculto até dizê-lo é torpe.
Mas todas estas coisas se manifestam, sendo condenadas pela luz, porque a luz tudo manifesta.
Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá.” (Ef 5.11-14)

A paz do Senhor !

Referências:

  1. Lc 4.1-13
  2. Mq 3.8; Zc 4.6; Lc 4.14; At 1.8; 4.33; 8.18-19; 19.11-12; Rm 15.19; 1Co 2.4; 2Co 4.7
  3. Ef 1.18-26
  4. Mt 23.9-10; Ef 5.1
  5. Ex 30.22-31; Is 61.1-2; At 10.38
  6. Rm 8.2; Ap 1.5; 2 Co 6.2
  7. 1Rs 17.1-15; 2Rs 5.1-14; Rm 11
  8. 1Sm 16.7
  9. Mt 7.21-27; 15.8; Lc 6.46-49; Is 29.13
FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Publicado por

Gisele

" É necessário que Ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *