A Pesca Maravilhosa

“E aconteceu que, apertando-o a multidão, para ouvir a palavra de Deus, estava Ele (Jesus) junto ao lago de Genesaré;

E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes.

E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão.

E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar.
E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.

E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.
E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique.” (Lc 5.1-7)

Simão Pedro estava diante de uma situação difícil:

Como seguir o que Jesus pedira, se o fracasso parecia tão óbvio? Se durante toda a noite lançou rede e nada colhera, como colheria agora?

Simão tinha algo, que infelizmente, falta em muitas pessoas: a fé na palavra de Jesus. Repare o que ele disse “ mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.”

Logo, Simão agiu baseado na palavra que Jesus proferiu. Logo, obteve sucesso.

Em seguida…

“E vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, ausenta-te de mim, que sou um homem pecador.

Pois que o espanto se apoderara dele, e de todos os que com ele estavam, por causa da pesca de peixe que haviam feito.

E, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão…” ( Lc 5.8-11)

Simão Pedro reconheceu a santidade Jesus. Em seguida, o Senhor fez outro desafio:

“…E disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante serás pescador de homens.
E, levando os barcos para terra, deixaram tudo, e o seguiram. ( Lc 5.11) “

Após a primeira experiência, Jesus o desafiou á uma próxima. Simão, imediatamente obedeceu deixando tudo para trás e prosseguiu sua caminhada com Jesus.

O Simão Pedro pescador, se tornou o conhecido apóstolo Pedro. Ele compartilhou com seus irmãos o que recebera de Jesus, convertendo milhares de almas ao Senhor com uma única pregação; e através de seu ministério, operou através do Espírito Santo milagres na vida de muitos. 1

Um dos grandes  problemas que pode ocorrer com qualquer um de nós é acomodarmos com a nossa vida espiritual. Pedro foi diferente! Quando Jesus lavara os pés dos discípulos  “Disse-Lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo.” (Jo13.8)

“Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça.” (Jo 13.9)

Simão ansiava por maior intimidade com Cristo. Quanto mais intimidade com Ele, mais experiência obtinha.

Simão não apenas foi abençoado, como também pode abençoar quem estava perto dele, deixando um bom exemplo para gerações. As benções (peixes) foram tão grandes que não pode “segurar” todas para si. Logo, optou por distribuí-las aos seus companheiros de pesca (amigos ou irmãos) para que tais benções não naufragassem com ele.

Caso Simão fosse um homem egoísta ele poderia optar em não dividir com os companheiros o que recebera de Jesus. Neste caso,  ele tinha duas opções:

– Opção 1 – jogar milhares de peixes fora de seu barco de volta ao mar.

– Opção 2 – segurar todos os peixes para si e o barco naufragar.

Quando é que jogamos nossos peixes de volta ao mar?

Eu jogo meu “peixe” de volta ao mar quando deixo de compartilhar algo, que traria benfeitorias na vida de qualquer pessoa, mesmo podendo fazê-la. Por exemplo:

Há vaga de emprego na minha empresa, meu amigo tem o perfil de candidato á vaga, sei que ele necessita de emprego, posso indicá-lo, mas não o faço. Afinal de contas, o que eu ganharia com isso? Não é mesmo?!  Já que eu não preciso, posso fingir que não sei de nada.

Entretanto, “aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.” (Tg 4.17)

Quando é que nosso barco naufraga?

Você admira e segue bons pregadores da palavra, cantores “midiáticos”, deseja estar entre “grandes personalidades”, “pessoas influentes” e inclusive, se possível, até os ajudariam. É digno admirar e honrar o trabalho de quem tenha mérito; e edificante buscarmos sabedoria e companhias saudáveis mesmo que não sejam “grandes personalidades”.

Entretanto, não auxilias alguém quando  surge oportunidade e total capacidade para fazê-lo, mesmo sabendo que a pessoa demonstre interesse e necessidade em receber ajuda. Buscou sabedoria, informações e “influências”. Auxilias quem é farto, mas quando surge um “necessitado”, você não consegue doar aquilo que te abasta.

Louvo ao meu Deus por meu Jesus não ser assim! Jesus disse:

E qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos.
Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos.” (Mc 10.44-45)

” Ora, se Eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vos deveis também lavar os pés uns dos outros. Porque Eu vos dei exemplo, para que, como Eu fiz, façais vós também ” (Jo 13.14-15)

Através do ato de lavar os pés dos discípulos, Jesus demonstrou-nos, que assim como Ele,  deveríamos servir uns aos outros.

Inclusive “ …nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros. (Rm 12.5)

Apóstolo Paulo ainda mencionou:

“Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários” (1Co 12.22)

e …

Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.

Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens
;” (Fp 2.3-7)

 

Seja um instrumento do Senhor para presentear  ás pessoas com bênçãos que Deus te deu e, não queira  entesourar para si algo que não deva, para que não correr o risco de serem recebidas em vão e naufraguem no egoísmo da individualidade.

Lancemos a rede ao mar pescadores! Se ela romper o outro ajuda a amparar. Pois, “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante.” (Ec 4.9-10)

“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.” ( Sl 133.1)

 

A Paz do Senhor!

Referências:

  1. At 2.14-41; 4.4

 

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Publicado por

Gisele

" É necessário que Ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)

4 comentários sobre “A Pesca Maravilhosa”

  1. Talvez um dos maiores desafios seja realmente viver enquanto membros de um só corpo, onde cada um veja suas próprias necessidades como secundárias se comparadas as do próximo.
    Na realidade individualista que vivemos atualmente, onde o servir é visto como algo degradante, a busca por sermos imitadores de Cristo deve ser contínua.

    1. Irmãzinha Carla, obrigada pelo comentário!
      Jesus é o perfeito exemplo de servidão. Sua mensagem é transformadora, atual e oposta ao, cada vez mais evidente, culto ao “eu” que a nossa sociedade tem praticado.
      Mas, como servos do Senhor, devemos meditar e aplicar Seus ensinos em nossas vidas.
      A Paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *